Páginas

Loading...

Introdução ao Mundo da Leitura e do Conhecimento

Como forma de homenagem, apresento este texto de uma professora que estimo e me espelho quando estou de frente aos trabalhos que devo desenvolver. Sei que ainda tenho muito que aprender, mas devido aos teus conselhos e tua impulsão estou caminhando a passos longos e largos, e onde os espinhos que ao longo do caminho aparecem retiro-os facilmente, pois tenho argumentos suficientes desenvolvidos durante as aulas e mediante teus módulos os quais, ainda os guardo. Parabéns e obrigado!
"Sejam todos bem vindos a esse mundo magnífico do saber. Vocês estão chegando ao universo acadêmico e, nele, com certeza buscam a definição de uma carreira profissional. A partir de agora, portanto, nosso hobbie será estudar. Aqui estaremos em contato com a produção do conhecimento.
A instituição do Ensino Superior não apenas ensina; ela está sustentada por um tripé: Pesquisa, Graduação e Extensão. Nesse instante, inaugura-se a construção da sua identidade profissional, a realização da tal pergunta: ' o que você vai ser quando crescer?' acaba de ser respondida! Quanto de vocês não esperaram por este momento como um futuro distante, ou não, e agora estão no palco da realização?! Bom, eu passei por isso e muito feliz estou aqui, com vocês, e imagino que as minhas mesmas emoções de um dia ainda se repetem em cada coração de agora.
Agora quero apresentar-lhes a nossa disciplina: Introdução aos Estudos Universitários, antes que me perguntem de que trata, ou descubram que tem relação com a metodologia científica/da pesquisa. Não precisa nem me dizer que é chata, teórica, blá, blá, blá, eu já sei! Já sei também que raramente o estudo da... nas universidades é bem aceito pelos alunos. Sempre ouço esses perguntas, mesmo porque eu já fiz: Por que e para que estudar tantas regras, tantos detalhes, indicações rígidas para digitação e formatação de textos, que parecem podar a nossa liberdade de pensar e escrever?
Permitam-me quebrar as más impressões dando-lhes duas respostas: Uma boa e outra boa. Ela tem sim (!) tudo a ver com a tal da metodologia e a tal da pesquisa. A outra boa é que ela nos permitirá ser mais pensadores e menos comentaristas e repetitivos. Seremos motivados a refletir filosoficamente sabia diversas coisas, problemas atuais e até mesmo sobre filmes. Teremos a oportunidade de estimular e exercitar a criatividade tão necessária no mundo moderno, em constante mutação, para enxergar o que os outros (ainda) não veem. Isso é próprio de pessoas criativas, pesquisadoras, curiosas, exploradoras, que encontram soluções para os novos problemas que temos de enfrentar.
Bem, eu imagino que em um mundo marcado pela pressa, pelo tic-tac do relógio, falar de disciplina e de método é desesperador. Isso porque estamos acomodados a um necessário e exacerbado ativismo, a agir como robôs - na busca pelo mais fácil! - e deixamos de lado a nossa maior riqueza que é a capacidade de pensar.
O primeiro objetivo da nossa disciplina será o de cultivar a capacidade de pensar. Nosso segundo é apreder a arte da leitura, da análise e interpretação de textos. Com isto, quero firmar o compromisso de que não haverá espaço para aluno-copista. Para o nosso terceiro objetivo fica acordado que através dela vamos aprender a fazer. Isto significa que iremos nos colocar num movimento de atitude do pensamento. Alimentando o lado ético de todo agir humano, tendo senso de responsabilidade e cuidando do futuro nos atos presentes. Seguindo esses passos, veremos que a nossa disciplina pretende nos levar a elaborar projetos, a desenvolver um trabalho monográfico ou um artigo científico como requisito final e conclusivo de um curso acadêmico, estruturando o pensamento de forma clara, concisa e coerente para uma perfeita comunicação.
Imaginem comigo: Como pode um Engenheiro, construir um prédio sem antes fazer o levantamento prévio das condições da área, um estudo topográfico, um pro-diagnóstico do local? Será que um médico pode operar um paciente com dores de estômago sem antes investigar a verdadeira causa? Como posso fazer um bolo, sem antes ler a receita e/ou separar os ingredientes necessários? Desde as grandes edificações às consultas médicas e até mesmo à cozinha da nossa casa, o planejamento está presente. Identificar objetivos - onde se quer chegar - causas e consequências, traçar estratégias, levantar recursos e pesquisar.
Não queiram mal ao método! Ele nos leva a adquirir hábitos e posturas diante de nós mesmos, do outro e do mundo, a beneficiar a nossa vida tanto profissional quanto social, afetiva, econônima e cultural. Veja-o com outros olhos, não como uma disciplina chata. Entenda-o como um caminho para alcançar um objetivo. Ora, todos nós temos objetivos! Pense que essas tais regras e 'hábitos metodológicos' (o gosto pela leitura, a compreensão dos diferentes interlocutores, um espírito crítico maduro e responsável, o diágolo claro e profundo com os outros e com o mundo, a autodisciplina), ensinados no ensino superior, possibilitarão a inserção do discente no mundo acadêmico-científico e que também objetivam o exercício da ética e do respeito a quem pensa diferente, a ousadia/coragem de expor o próprio pensar. O método em uma instituição abre caminhos, aponta ou intiu soluções, minimiza tempo e gastos, estimula o diálogo entre opiniões contrárias e/ou diferentes, resgata a postura ética, cria o espírito de participação e responsabilidade comuns na solução de problemas, no enfrentamento de desafios e na conquista de metas. O estudante acadêmico que pauta sua vida por princípios metodológicos adquire possibilidades de pensar e ver para além do que lhe é mostrado e exigido; ele pode se destacar na atuação profissional e até mesmo inovar em áreas específicas, na medida em que aprende a planejar metas e objetivos claros. Tudo isto como resposta de alguém que aprendeu a pensar, ler, analisar e interpretar - não só os textos, mas também a fazer a leitura de mundo, da vida.
E, para este convite ao encontro com a nossa disciplina de Introdução aos Estudos Universitários haverá limites para atividades extracurriculares, para o conhecimento, o saber? Somente se o seu desejo de ser grande e inovador for pequeno.
Ah! Eu não podia esquecer de lembrar-lhes que o nosso módulo não é para 'dar peixes' a ninguém. Você é responsável pelo cultivo do seu saber."
Texto de Vanessa Fragoso